DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 12/04/2019    117 Visualizações

Facebook quer deixar de mostrar perfis de usuários mortos como sugestões para eventos

Compartilhar

Há notificações no Facebook que são lembretes nada bem-vindos para quem teve perdas sofridas. É o caso de uma recomendação para adicionar como amigo um primo que já morreu; um vídeo comorando amizade com um irmão que morto há anos ou ainda uma sugestão para desejar Feliz Aniversário para um irmão que faleceu. Embora o Facebook tenha surgido como uma ferramenta excelente para preservar lembranças amadas de amigos e familiares que partiram, ele também tem feito estas e outras notificações funestas e inesperadas.

Na terça-feira, 9, a rede social anunciou várias mudanças para amenizar a dor dos usuários, informando que agora está usando a inteligência artificial “para minimizar experiências que podem ser dolorosas”, segundo Sheryl Sandberg, diretora executiva operacional do Facebook em um comunicado postado no site da companhia.

“Utilizamos a inteligência artificial para evitar mostrar coisas que podem gerar desconforto, como recomendar que a pessoa falecida seja convidada para eventos ou enviar lembretes de aniversário para seus amigos”, disse ela. “Estamos trabalhando para melhorias e rapidez neste assunto”.

O anúncio foi feito no momento em que o Facebook se defronta com uma investigação envolvendo a disseminação de nacionalismo branco nas suas plataformas, por não proteger adequadamente dados dos usuários, além de permitir a interferência estrangeira em eleições.

O esforço da rede para melhor administrar as notificações envolvendo pessoas já falecidas parece sensato. Mas não é um exercício trivial para a empresa que há anos tem lutado com a chamada "vida após a morte digital".

Muitos usuários têm reportado que perfis de amigos ou familiares mortos foram pirateados ou usados para distribuição de spans. Em 2014 a companhia pediu desculpas depois de uma postagem “Ano em Revista” mostrar o rosto da filha falecida de um homem. Na época a informação foi dada pelo jornal The Washington Post.

“O fenômeno no caso é que a vida é transitória e o Facebook não”, disse Pamela Rutledge, diretora do Media Psychology Research Center, entidade sem fins lucrativos com sede na Califórnia.

Depois que uma pessoa morre, um amigo ou familiar pode pedir que o perfil da pessoa seja desativado ou se converta em “memorial” no caso de o indivíduo falecido não ter solicitado que sua conta fosse deletada permanentemente após sua morte. No caso de uma conta transformada em “memorial” ela é convertida num perfil especial onde podem ser prestados tributos ou ser vistas postagens de quando a pessoa ainda estava viva.

Há centenas de contas com esse perfil, disse a companhia. Mas esses perfis nem sempre permanecem como “memorial”. “Já ouvimos pessoas afirmarem que solicitar uma conta memorial é uma medida importante que nem todos estão prontos a tomar de imediato”, afirmou Sandberg.

Isto significa que muitos perfis de pessoas falecidas continuam ativos e cuja morte não foi informada para o Facebook. Essas contas continuam a gerar notificações em páginas de outras pessoas lembrando aniversários ou convites para eventos.

Tentativas. Há anos o Facebook tenta automatizar maneiras de identificar aqueles perfis para não enviar notificações possivelmente dolorosas para usuários.

Sandberg não especificou como a nova tecnologia de IA anunciada na terça-feira vai ter um resultado melhor do que medidas anteriores adotadas pela empresa. O Facebook não forneceu detalhes a respeito além de informar em um comunicado por e-mail que “examinamos uma variedade de sinais que podem indicar que a pessoa faleceu”.

Segundo Rutledge o anúncio foi o mais recente na contínua evolução do Facebook. A empresa introduziu a memorização de perfis em 2007. Em 2015 acrescentou o conceito de “contato herdeiro” – a nomeação prévia de um amigo ou membro da família para administrar sua conta transformada em memorial no Facebook.


FONTE: Estadão






  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE