DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 04/06/2019    149 Visualizações

Acusado de matar “Zé pretinho” em Monte Negro é absolvido

Acusado foi levado a Júri Popular em Ariquemes
Compartilhar

O réu Evanildo Ramalho e Silva foi absolvido pelo Tribunal do Júri pela morte de José Ângelo dos Santos, vulgo “Zé pretinho”. O crime aconteceu no ano de 2015 em Monte Negro. O julgamento aconteceu nessa segunda-feira (03) em Ariquemes.

O denunciado foi levado ao banco dos réus acusado de ter matado no dia 22 de outubro de 2015 na Avenida Juscelino Kubitschek no Bar do Zé Pretinho, a vítima José Ângelo dos Santos, vulgo “Zé pretinho”, dono do estabelecimento comercial.

De acordo com a denuncia apresentada a Justiça ao qual o Jornalrondoniavip teve acesso, o réu foi apontado de ter matado a vítima com um tiro fatal após uma discussão.

Apurou-se que no dia dos fatos, Evanildo (réu) e a vítima (Zé pretinho), juntamente com outros amigos, foram até o rio banhar-se e fazer churrasco, ocasião em que sumiram os óculos do ofendido. Já na cidade, a vítima (Zé pretinho) reencontrou com um dos amigos de banho no rio, onde acabou lhe agredindo em virtude pelo sumiço dos óculos. Ao ficar sabendo da agressão, Evanildo foi atrás de Zé pretinho, discutiu com ele e, inesperadamente, sacou de uma arma de fogo e desferiu-lhe o tiro fatal. O ofendido chegou a ser socorrido, entretanto, não resistiu ao ferimento e veio a óbito um dia após a ocorrência do fato.

Absolvido por falta de prova

Levado a julgamento, o próprio Ministério Público que ofereceu a denuncia, juntamente com os advogados de defesa pediram a absolvição do denunciado.

A pedido do Conselho de Sentença (jurados), o Juiz Alex Balmant que comandou a sessão do Júri absolveu Evanildo Ramalho e Silva por não existir prova suficiente para a sua condenação.


FONTE: Jornalrondoniavip

Aos leitores, ler com atenção

*Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.*







  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE