DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 06/06/2019    139 Visualizações

PF cumpre Mandados de Busca na residência de investigados na capital

Compartilhar

A Polícia Federal (PF) deu cumprimento, na manhã desta quinta-feira (6), dois mandados de busca expedidos pela 5ª Vara da Justiça Federal de Porto Velho na residência de investigados envolvidos em fraudes no Sistema de Emissão de Documento de Origem Florestal (SISDOF), utilizado para o controle de movimentação de madeira extraída em todo o país (com exceção de Mato Grosso e Pará que contam com sistema próprio).

As investigações demonstraram que os envolvidos conseguiram fraudar o sistema de controle de compra e venda de madeiras, permitindo, assim, o aumento dos créditos registrados de forma artificial, possibilitando que produtos criminosos de delitos ambientais tivessem ingresso regularizado indevidamente no mercado.

O esquema de fraude identificado pela Polícia Federal acarretou uma emissão de 3.502 documentos de origem florestal (DOF), com um total de movimentação de 164.029,5054m³ de créditos florestais indevidos – provavelmente decorrentes de lavagem de produtos florestais obtidos em áreas não autorizadas

Durante o cumprimento das ordens judiciais foram apreendidos documentos, telefones celulares e equipamentos eletrônicos, os quais serão analisados pela equipe de investigação.

Em setembro de 2018, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (IBAMA) determinou a abertura dos dados do Sistema de Emissão de Documento de Origem Florestal (SISDOF), deixando-os acessíveis para consulta pública, sendo este um importante passo para que os compradores de madeira possam ter maior controle da cadeia de produção e, assim, exigir dos produtores e extratores que não contribuam com a destruição da floresta e a violência contra seus povos.


FONTE: PF/RO

Aos leitores, ler com atenção

*Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.*







  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE