DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 07/06/2019    94 Visualizações

PROCESSOS: Solange Almeida e Xand Avião são investigados por homicídio e tráfico

Investigação que havia sido arquivada por falta de provas foi reaberta e inclui ainda os empresárias Zequinha Aristides e Isaías CDs, do Aviões d
Compartilhar
Investigação que havia sido arquivada por falta de provas foi reaberta e inclui ainda os empresárias Zequinha Aristides e Isaías CDs, do Aviões do Forró

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da procuradoria regional da República, decidiu retomar procedimento investigatório criminal que envolve os cantores Solange Almeida e Xand Avião, ex-vocalistas do Aviões do Forró, e os empresários Antonio Isaias Paiva Duarte (Isaías CDs), Zequinha Aristides Pereira, Carlos Aristides de Almeida Pereira e Francisco Claudio de Melo Lima, todos sócios da empresa A3 entretenimentos, que gerencia a banda.

O processo teve origem em 2014, mas foi descontinuado por falta de provas. No entanto, a procuradora regional da república Luiza Cristina Fonseca Frischeisen alegou que o arquivamento era prematuro. 

Os artistas e executivos do forró são investigados por crimes como homicídio, tráfico internacional de drogas, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e ameaças.

A denúncia foi feita ao MPF por um suposto ex-sócio da A3 Entretenimento. No entanto, a banda nega as acusações por meio da assessoria de imprensa. "Em 2012 houve uma denúncia anônima, que já foi provada como absolutamente falsa e sem sentido. O processo aberto a partir dessa denúncia foi extinto e arquivado por absoluta ausência de provas", diz o comunicado. 

Isaías CDs está no processo movido em 2014

Isaías CDs está no processo movido em 2014

 A A3, no entanto, confirmou que há uma ação fiscal ajuizada contra a banda Aviões do Forró, que foi alvo da Operação For All pela sonegação de R$ 500 milhões em tributos entre 2012 e 2014. De acordo com a Polícia Federal, o grupo manipulava valor declarado nos cachês, informando à Receita Federal apenas 20% (em média R$ 30 mil) do valor pago. Os outros 80% (cerca de R$ 120 mil) eram recebidos em espécie antes dos shows. "Esta é uma ação de 2016 e a banda já cumpre pontualmente, normalmente e legalmente com seus deveres fiscais", informa a nota.

 Solange Almeida processa ex-banda

 Em paralelo às investigações, Solange Almeida também exige que a Justiça investigue o Aviões do Forró. 

 A cantora teria pedido "uma prestação de contas". Tal pedido será julgado pela Justiça, que vai decidir se ela receberá algum valor ou terá que pagar valores por ter participado do Aviões do Forró.

 Ela deixou de ser uma das sócias e vocalista em fevereiro de 2017 e busca na Justiça os seus direitos. "Eu assinei minha saída na sociedade e eles ficaram certos de me pagar a parte que me cabia. Esperei quase dois anos e nada foi feito. Eu estava perdendo esse tempo. Ingressei na Justiça de fevereiro para março deste ano para que eu tivesse meus direitos reconhecidos", explicou a cantora em vídeo publicado nas redes sociais. 


FONTE: r7






  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE