DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 08/06/2019    128 Visualizações

Presidente do PSL, Luciano Bivar, é alvo de denúncia de uso de empresas que vendem notas para justificar gastos

Presidente do PSL é acusado de usar empresa que vende notas fiscais para justificar gastos
Compartilhar
Segundo a Folha de São Paulo, notas teriam sido compradas de empresa que pertence a uma assessora de imprensa de deputado. O PSL é o partido do presidente Jair Bolsonaro.

Notas fiscais compradas de uma empresa de uma assessora de imprensa teriam sido usadas pelo presidente nacional do PSL, deputado federal por Pernambuco Luciano Bivar, para justificar gastos com a atividade parlamentar, segundo a Folha de São Paulo. Diante dessa denúncia feita pelo jornal, Bivar afirmou que a funcionária Marta Lemos “caiu em uma cilada”. (Veja vídeo acima)

O deputado fez essa afirmação em uma mensagem de voz enviada à TV Globo. No áudio, Bivar afirma que Marta “vai perder o emprego amanhã”.

O presidente nacional do PSL, mesmo partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, justifica a decisão: “Ela mostrou o caráter frágil dela de vender notas. Mas num país como o nosso, qualquer pessoa que oferece R$ 30 mil, dizendo que vai ganhar um percentual, vai cair numa cilada.”

Notas fiscais de outra empresa também teriam sido usadas, segundo o jornal. O deputado está envolvido em uma investigação por causa de denúncias de candidaturas "laranjas" do PSL.

Segundo informações confirmadas pela TV Globo, a Câmara dos Deputados repassou R$ 50 mil à ML Serviços, pertencente à Marta Lemos. A prestação de contas do deputado teria sido apresentada à Câmara dos Deputados ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de acordo com o jornal.

A Folha informou que essa empresa ML forneceu as notas a Luciano Bivar, entre 2017 e abril de 2019, mas sem fazer o trabalho para o qual foi contratada. O trabalho teria sido feito, de acordo com o jornal, por outra assessora de comunicação.

Além de informar que a prestação de contas foi feita com notas compradas, a Folha diz que Marta Lemos teria negociado uma nota fiscal de sua empresa a uma pessoa que se passava por assessor de um deputado. Filiada ao PSL desde 2013, ela cobraria de 25% a 30% de comissão no negócio, que não chegou a ser fechado.

Ainda de acordo com a reportagem, a fundação do partido contratou, no Rio de Janeiro, a associação Pró-Esporte e Cultural, que pertence a Giselle Muller do Amaral. Ela se candidatou a deputada estadual pelo PSL em 2014. A entidade recebeu R$ 15 mil para fazer um seminário sobre as eleições daquele ano, no Rio.

A Folha cita, ainda, uma troca de mensagens entre a dona da empresa, Giselle Muller, e uma pessoa que se passou por assessor de um deputado federal, que adquiriu uma nota fiscal fria no valor de R$ 8 mil.

Na conversa, Giselle teria dito que forneceu notas frias a Luciano Bivar e que a candidatura dela foi de fachada, para ‘cumprir a cota mínima de mulheres’. A TV Globo tentou contato com Giselle do Amaral, PSL e com a Pró-Esporte e não conseguiu.

 
Deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE) — Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco PressDeputado federal Luciano Bivar (PSL-PE) — Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press

Deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE) — Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press

Mensagens

 Mensagens de voz trocadas entre Marta e Luciano Bivar mostram as reações da assessora e do parlamentar, diante da matéria da Folha. Os áudios foram enviados para a TV Globo pelo próprio parlamentar. A reportagem foi até a casa de Marta, no Recife, mas a mãe dela disse que a mulher não estava.

Marta enviou um áudio para Luciano Bivar, no qual nega ter repassado informações sobre a negociação de notas. Ela diz, ainda, que foi pressionada pela reportagem da Folha de São Paulo.

“Eles vieram aqui na minha casa”, afirma. A assessora diz que contou à equipe que trabalhava para Bivar. “Eu disse que passava nota o tempo todo e mostrei o serviço de clipagem. Eu provei a ele [repórter] que trabalhava para você”, declara.

A assessora também afirma que é “tudo mentira na reportagem” e chama de “imprensa marrom”. Em tom de apelo, Marta pede ajuda a Bivar.

“Pelo amor de Deus, não faz isso comigo. Você sabe que eu sou fiel a você. Eu sempre trabalhei para você, que eu nunca ia fazer isso com você. Eu preciso tanto desse trabalho”, afirma.

Ainda em tom apelativo, Marta diz ao parlamentar que precisa do dinheiro do trabalho para sustentar o filho. “Eu sou sozinha para sustentar ele. Meu Deus do céu, Luciano. Por favor, não me demita. Eu vou tentar direito de resposta e eu provo que eu trabalho. Eu nunca passei nota fria”, declara.

Em outra mensagem, Luciano Bivar diz para a assessora que aceitaria um pedido de desculpa. “Vá lá, sim. Vá lá para se redimir dessa manchete capciosa que a senhora fez. Como se eu comprasse nota. Vou receber com muito carinho, se for para pedir desculpa”, diz.

No áudio enviado para a reportagem da Folha de São Paulo, o presidente nacional do PSL diz que “vocês usaram uma mulher que ganha R$ 7 mil por mês e botaram ela numa cilada”.O parlamentar segue afirmando que a “Polícia Federal tem WhatsApp do cara e é fácil chegar a quem aliciou essa pobre mulher”.

Ele também declara que a assessora “caiu em uma cilada de um jornal da pior categoria". "É fácil chegar a isso aí. Estarei terça–feira no meu gabinete [em Brasília] e mostrarei o serviço que essa mulher faz, ou melhor, fazia, pois ela vai ser despedida”, finaliza Bivar.

 Procuradoria

A Procuradoria Eleitoral em Pernambuco disse que os fatos serão analisados para que sejam "adotadas as providências cabíveis". A procuradoria não informou quando esse procedimento será feito.


FONTE: TV GLOBO






  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE