DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 28/06/2019    763 Visualizações

Híbrido de raça de Javali pode se tornar uma praga em Rondônia

Compartilhar

O Engenheiro Florestal e Especialista em Fauna, Ernesto Massayuki Sawaeda, foi convidado para uma palestra na realização da 8ª edição da Rondônia Rural Show, que aconteceu nos dias 22 a 25 de maio, no município de Ji-Paraná/RO.

Na verdade vim para dar um alerta sobre uma espécie o “Javali” e seus híbridos, disse o especialista. Leia um pouco de sua fala na palestra na Rondônia Rural Show:

Desde 1998 venho acompanhando a evolução desses animais na região de Planalto próximo a Araçatuba-SP. No início tratavam- se de animais puros, que facilmente podiam ser controlados, mas com o passar do tempo foram hibridizando com porcos domésticos originando os Javaporcos, começaram a cruzar entre os próprios híbridos, dando origem outra espécie que poucos conhecem, esses animais se adaptaram de forma incontrolável ao seu novo ambiente, tendo com seu habitat os canaviais, eu achei que as queimadas dos canaviais poderiam erradicar ou dizimar esses animais, porém estava errado, eles sobreviviam as queimadas, quando o fogo chega próximo a eles logo procuravam as curvas de níveis, onde o terreno era mais úmido e enterrava seu focinho ate a altura dos olhos para escapar das chamas que os cegava.

No período de 2010 cheguei à conclusão que isso se tornaria uma praga, logo tentei um alerta, mas muitos achavam que isso logo acabaria. Em 2014, o Sindicato de Agricultura da Alta Noroeste (SIRAN), onde fui ouvido quando se deu a primeira matéria, depois disso vieram várias entrevistas, inclusive no Estadão, mas parece que nada disso adiantou. Nesse período em Mato Grosso do Sul, iniciava-se um novo foco, nós do município de Maracajú, Rio Brilhante e Mundo Novo,

Foi quando me desloquei junto com o meu amigo, Coronel Paulo Cesar Ayres, para Mato Grosso do Sul, onde se iniciava um novo foco. Consigo contato com o Major Matoso através do meu amigo, onde fui recebido de maneira cordial. O major se propôs em fazer toda logística para o início de minhas pesquisas e coleta de dados, me direcionei ao município de Maracajú, mas precisamente na fazenda Toro Preto, resumindo, a polícia ambiental havia me informado que entre esses municípios (Maracajú, Rio Brilhante e Mundo Novo) havia em torno de 100 animais “Javaporcos”, esse era meu temor, pois já haviam começado um crescimento exponencial.

O que esse técnico pode afirmar com muita veemência, é que a entrada desses animais a região Amazônica, poderá causar danos irreparáveis a fauna e flora, nos agronegócios, como na pecuária de corte. Caso venha aparecer um surto de febre aftosa ou peste suína, poderá acabar com o mercado externo de carne, pois esses animais são hospedeiros a qual essas doenças não os afeta. Vivemos momentos muito tensos, pois hoje há informações que essa praga já se encontra no estado de Rondônia, se as providências de isolar esses focos não forem tomadas, a fauna e a flora da região Amazônia em 10 anos deixarão de existir.


FONTE: ORondoniense






  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE