DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 04/08/2019    275 Visualizações

Novo filme da franquia “Velozes e Furiosos” prova que não é necessário ter Vin Diesel para fazer sucesso

Vin Diesel não faz falta no derivado de Velozes e furiosos
Compartilhar

Vin Diesel não faz falta no derivado de Velozes e furiosos

A franquia Velozes e furiosos, cujo nono longa é questão de tempo, estreou na quarta-feira, 1, o seu primeiro derivado, a comédia de ação (mais ação que comédia), o enlouquecido Hobbs e Shaw, estrelado por dois pesos pesados dos filmes de pancadaria, Dwayne Johnson (Bem vindo à selva) e Jason Statham (O código) Hobbs e Shaw, respectivamente.

Desde a primeira aparição de Jason num filme da série, que ele e o gigante Hobbs batem de frente. Os produtores, que não são bobos enxergaram o óbvio ululante, ou seja, juntar os dois daria milhões extras para os cofres dos envolvidos.

Se vai ser sucesso, não sei, porém, o filme é muito divertido, principalmente, digamos, se o espectador desligar o cérebro e fingir que ainda tem entre dez e doze anos. Se você fizer isso, certamente vai se divertir muito, apesar da duração, por assim dizer, exagerada do filme, que aliás, prima pelo absurdo, o exagero e só não funciona quando raspa no sentimentalismo. Aí, não dá liga.

A história é um fiapo, trata de um vírus capaz de matar milhões, isso você já viu em algum lugar, mas tudo bem. Afinal de contas mesmo os filmes de ação precisam de algum diálogo, porém, não muito para não provocar tédio no público.

 

O vilão é vivido pelo ótimo Idris Elba, um vilão com superpoderes. Ele até alega ser o super homem negro. Ação é o que não falta e claro, tem as frases espirituosas que Hobbs e Shaw dizem ao outro, nesse ínterim, eles dão muita porrada, explodem carros, motos, caminhões, helicóptero, etc. As cenas passadas no aeroporto e no avião são hilárias. Shaw, com mais senso de humor que Hobbs, tira sarro o tempo todo do grandalhão.

O filme conta com algumas participações especiais (sem spoiler), e não, Vin Diesel, o Domimic Toreto, não dá as caras, no entanto, não faz falta nenhuma. Para manter a ligação com Velozes e furiosos, o derivado quer passar uma mensagem sobre a importância da família. Tome mais um pouco de sentimentalismo que não leva a história para frente.

Por incrível que pareça, pelo menos para mim, a parte final quando acontece o grande conflito, não empolga como as cenas precedentes. Claro, não compromete e deixa aquele famoso gancho para uma inevitável continuação.

A atriz que interpreta a irmã de Shaw, perdão, mas esqueci o nome (um pecado da minha parte), saiu da série The Crow, onde interpreta a irmã da rainha Elizabeth, nas duas primeiras temporadas, e  caiu neste turbilhão de ação louca e incessante.

Vale o ingresso. Cumpre o prometido, ou seja, diverte e depois será esquecido.


FONTE: Humberto Oliveira






  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE