DETALHES DA NOTÍCIA


Publicado em 08/11/2019    457 Visualizações

Bolsonaro diz a garimpeiros que "se entrou, tem que sair"

Opinião de Primeira por Sérgio Pires
Compartilhar

O presidente Jair Bolsonaro, num encontro com representantes de garimpeiros da região norte, pediu provas concretas de que máquinas e equipamentos continuam sendo queimados, tanto por fiscais do Ibama como pela Polícia Federal e ICMBio. Se isso for real, o sistema de informação do governo não está funcionando. Basta acessar o Google, por exemplo, para se ler inúmeras notícias de ações como essas, não aceitas pelo Planalto e que, apesar de legais, são embasadas num decreto absurdo, que sequer teve o aval do Congresso e é, claramente, inconstitucional. Bolsonaro disse, num vídeo que está aí nas redes sociais para quem quiser assistir, que “se a máquina entrou, tem que sair do mesmo jeito”, discordando que a queima de tratores, caminhões e outros bens possam ser feitas nas áreas onde encontradas, porque não haveria como tirá-las de lá. Vários textos e ilustrações publicadas neste Blog OPINIAO DE PRIMEIRA, denunciando esses abusos, estão sendo encaminhadas ao presidente da República, junto com farto material sobre o assunto, por assessores parlamentares e membros do PSL rondoniense. O Coronel Chrisóstomo, único deputado federal que a sigla elegeu em Rondônia, vai entregar um completo dossiê nas mãos de Bolsonaro, pedindo o fim desse terror contra garimpeiros e madeireiros.

Nessa semana, aliás, com a participação da PF e de órgãos ambientais, na Reserva Indígena Sete de Setembro, entre Espigão Do Oeste e Cacoal, outra ação desse tipo foi registrada. Os fiscais destruíram dois tratores e vários motores, que, se apreendidos, poderiam ser doados ou entregues, com aval da Justiça, para resolver problemas de pequenas comunidades, que precisam de máquinas e equipamentos para sua sobrevivência. O Governo do Estado, aliás, conseguiu resolver essa questão com bom senso e prioridade aos interesses coletivos e não a ideologias, como parecem ser a ações que norteiam a queima e destruição de equipamentos. Tratores e máquinas apreendidos pela Sedam, em ações de garimpagem ilegal ou roubo de madeira, são apreendidos e entregues ao DER, para serem usadas em obras públicas, que beneficiam milhares de pessoas. Um motor de 150 KWA, também apreendido, foi doado a um hospital do interior, que vivia tendo problemas com a falta de energia elétrica. Não tem mais. Ao invés de priorizar medidas extremas e que, mais dia menos dia, serão reconhecidas como absurdas, ilegais e inconstitucionais, o governo rondoniense está ensinando como se usar de bom senso e visão comunitária, com as apreensões que faz. Em nível federal, o aparelhamento de várias instituições é que continuam guiando os passos da destruição e da burrice ideológica. Quem sabe os informantes do Governo Bolsonaro comecem a trabalhar direito e o informem das bizarrices que estão ocorrendo em toda a região norte, para que ele possa, finalmente, agir contra isso?

 


FONTE: Sergio Pires






  • COMENTÁRIOS DO FACEBOOK

    PUBLICIDADE