Focos de calor diminuíram de janeiro a setembro em Rondônia

Em Rondônia, ocorreram 8.420 focos de calor no período compreendido entre 1º de janeiro e 11 de setembro de 2019, enquanto que no mesmo período deste ano houve 6.109 focos, ou seja, 38% a menos. A informação foi dada nesta sexta-feira (11), pelo coordenador de geociências da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Diogo Martins Rosa, com base no satélite de referência (AQUA-T),do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

A chuva benéfica da última quinta-feira (10), eliminou densas nuvens de fumaça em Porto Velho, porém, a primeira semana de setembro fez aumentar os focos de calor.

A Coordenadoria de Proteção Ambiental Sedam está em operação para conter o avanço das queimadas e o desmatamento. Da mesma forma, as equipes das Unidades de Conservação Estaduais (UCEs), que fiscalizam e monitoram diversas reservas florestais no Estado.

Com 40 mil, em 2004 e 2005, os focos detectados atingiram o pico no Estado, reduzindo-se para a faixa de dez mil entre 2015 e 2019.

ZONA DA MATA PRIORITÁRIA
Já a Coordenadoria de Educação Ambiental intensificou o trabalho de conscientização com populações urbanas e rurais nos dias 2 e 3 de setembro deste ano em Alta Floresta do Oeste, promovendo pit stop,visitas a órgãos de comunicação, prefeituras, e fiscalização preventiva.

No dia 4 de setembro, a equipe visitou Alto Alegre dos Parecis, no dia 5, Parecis, e nos dias 6, 7 e 8 esteve em Rolim de Moura. Na quinta-feira, (10) esteve em Novo Horizonte, informa o coordenador da Sedam, Fábio França.

QUEM MAIS QUEIMOU
Os municípios que mais tiveram focos: Porto Velho (34 mil km², área individualmente superior às áreas dos estados de Alagoas e Sergipe), Buritis, Candeias do Jamari, Cujubim e Nova Mamoré, responsáveis por mais de 60% dos focos de calor em Rondônia nas primeiras semanas de setembro.

Agosto e setembro são os meses mais críticos do ano no Estado de Rondônia. A Sedam estima que a situação se amenize bem no biênio outubro-novembro, quando estão previstas chuvas regulares.

MADEIRA APREENDIDA

O combate ao desmatamento foi um dos maiores objetivos da Operação Verde Brasil 2, do Exército Brasileiro, ao completar, quinta-feira (10), quatro meses de repressão a crimes ambientais na Amazônia Ocidental Brasileira.

Em nota divulgada nesta sexta-feira (11), na qual destaca a apreensão de 18,6mil m² de madeira de lei; a aplicação de 356 multas no montante de R$ 245,8 milhões, entre outras ações, o Comando Conjunto Forte Príncipe da Beira promoveu ações de conscientização nos distritos e comunidades adjacentes às Bases de Operações.

O objetivo do Comando foi contribuir com maior esclarecimento e mudança de postura da população em relação aos ilícitos ambientais e aproximar o Exército Brasileiro à população.

O Comando Conjunto atuou em 37 localidades em Rondônia, Acre e Sul do Amazonas, mobilizado por quatro Batalhões de Infantaria de Selva (4º, 6º e 61º BIS), pela 17ª Companhia de Infantaria de Selva e por órgãos e agências parceiras, segundo informações do Exército.

A Operação Verde Brasil fechará sua atuação na Amazônia Ocidental até novembro deste ano.

 

Focos de calor diminuíram de janeiro a setembro em Rondônia

 

 

 

 

Fonte:SECOM

Nada para mostrar aqui

Deixe um comentário

Posts Relacionados

TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM BURITIS

Aconteceu hoje aproximadamente às 13 horas próximo da avenida Paraná st. 02 em Buritis uma tentativa de homicídio. O fato que ainda está sendo objeto