Follador indica ao executivo a Redução do imposto da cesta básica em 3%

Para o deputado a medida não afeta a arrecadação do estado, pois estimula o consumo que compensa a baixa da taxa de imposto

Em Indicação encaminhada ao Executivo Estadual, o deputado Adelino Follador (DEM) pediu que o Governo estude, em caráter de urgência, alguma medida prática para conter o aumento gradativo do valor da cesta básica em Rondônia. A principal sugestão foi de reduzir o valor da carga de imposto que incide sobre alimentos em 3%, como fazem alguns estados para apoiar a população neste momento de crise.

Para o deputado, o exemplo de outros estados é importante, tendo em vista que é um movimento planejado como estratégia econômica e social, prevendo que a diminuição do imposto gera estímulo no consumo, de modo que a arrecadação se manterá nos mesmos níveis sem prejuízo para os cofres do Estado, já que o maior volume de consumo dará estabilidade à arrecadação. “Isto é, a redução do imposto dos alimentos será compensada pelo aumento consumo, e tudo ficará nos mesmos níveis”, disse o deputado.

Adelino Follador disse que há um movimento nacional das empresas de comércio de alimentos (supermercados), que têm buscado diálogo com o governo para solucionar o problema, propondo, inclusive, a retirada de tarifas de importação de produtos, que são outro entrave para a vida do País e da população nesta época de incerteza gerada pela pandemia, com dificuldades para todos, e mais especialmente para as camadas mais necessitadas da sociedade, que perdeu emprego e passou a viver com o auxílio emergencial do Governo Federal.

Encaminhada ao governador Marcos Rocha, com cópias para a Casa Civil e Secretaria de Finanças (Sefin), a Indicação estabelece um prazo de até 31.12.20 para a vigência da medida, tempo que, segundo o deputado, a situação do Estado e do País já deverá começar a estabilizar.

Adelino Follador disse que antes de propor esta medida analisou todos os aspectos que ela envolve, e disse que com a elevação do consumo dos produtos da cesta básica o Estado deve incrementar em até 8,5% as suas receitas com a taxação especial (para baixo) dos produtos da cesta básica.

A cesta básica tradicional é formada pelos seguintes produtos: Feijão, arroz, açúcar refinado, açúcar mascavo e cristal, leite pasteurizado líquido ou em pó, café torrado ou moído, sal de cozinha, carnes – gado, aves, suínos, peixes de cativeiro e dos rios, pão francês de até 200g, óleo de soja, de milho e a banha de porco, farinha de mandioca, farinha de trigo, inclusive pré-mistura destinada exclusivamente à fabricação de pães, água mineral, sardinha em lata, salsicha, linguiça e mortadela, charque, polpas de frutas regionais, alho in natura, margarina vegetal, manteiga, acondicionada em embalagem de até 1.000g, fubá de milho, todos os tipos de bananas, hortifrutigranjeiros, sabão em barras e sabonete sólido e liquido, cebola, papel higiênico, azeites refinados e álcool 70 líquido e em gel.

FONTE: Assessoria

Nada para mostrar aqui

Deixe um comentário

Posts Relacionados

TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM BURITIS

Aconteceu hoje aproximadamente às 13 horas próximo da avenida Paraná st. 02 em Buritis uma tentativa de homicídio. O fato que ainda está sendo objeto