IG CACAU: Cacauicultura de Rondônia avança no processo para ter Indicação Geográfica

Rondônia dá mais um passo para a formalização da Indicação Geográfica (IG) do Cacau. As ações que começaram no início deste ano, avançam mais uma etapa com a realização das visitas na região central do estado para a coleta de informações.
Durante três dias, consultores da empresa AJ Lima, contratada pelo Sebrae, visitaram produtores da região, especialmente Jaru e Ouro Preto do Oeste, que concentram a maior produção de cacau de Rondônia, para levantamento de informações sobre a produção do fruto. Durante esse período foi possível obter muitas informações sobre as características da atividade na região.
“A importância do registro de Identificação Geográfica para a Cadeia Produtiva da Cacauicultura é a de impulsionar ao produtor a busca por melhorias, como a qualidade das amêndoas e do chocolate produzido em Rondônia, agregando, assim, valor ao produto nativo da região Amazônica. Isso traz o reconhecimento de mercado, considerando sempre a preocupação com o Meio Ambiente, pois o cacau é um produto sustentável, produzido em Sistemas Agroflorestais, e também em plantio a pleno sol, recuperando áreas antes degradadas”, explica Deborah Regina Alexandre, supervisora de campo da assistência técnica e gerencial do Senar/RO da Cadeia Produtiva da Cacauicultura .
O registro de indicação geográfica é conferido a produtos ou serviços característicos do seu local de origem, que se distinguem dos similares disponíveis no mercado. O produto deve apresentar qualidade única em função das condições geográficas naturais, como solo, vegetação, clima e modo de produção, reconhecendo a reputação de uma região.
O Estevam Fernandes Magalhães, produtor de cacau de Teixeirópolis, não vê a hora desse reconhecimento chegar. “a Indicação Geográfica será muito boa para nós, produtores, pois nos beneficia diretamente, identificando esse diferencial produtivo que o nosso cacau tem, e isso vai valorizar mais a nossa produção. E além dos produtores, a IG vai beneficiar também toda a região, atraindo olhares de grandes indústrias, gerando emprego e renda para a população”.
Rondônia é o terceiro maior produtor de Cacau do Brasil, atrás apenas da Bahia e do Pará. Para se ter uma ideia da produção, o setor cacaueiro encerrou o ano de 2019 com a produção de 4,896 mil toneladas num total de 11,334 mil hectares de área plantada, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A produção teve um aumento de 20,7% em relação a 2018, onde foram produzidas 4,055 toneladas, representando 2% da produção nacional, segundo a AJ LIMA – Estratégias em Agronegócio.
“A indicação Geográfica confere ao produto uma distinção dos similares disponíveis no mercado, e mostra que aquele produto tem uma qualidade única, o que gera amplitude de mercado, e chancela que o nosso produto é um produto amazônico e que tem qualidade”, afirma Samuel Almeida, dir. técnico do Sebrae/RO.
Os esforços a certificação do Cacau de Rondônia contam com a união do Sebrae em Rondônia, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER), da Secretaria de Estado da Agriculta (SEAGRI), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), do Ministério de Agricultura e Abastecimento (MAPA) e produtores rurais.
Saiba mais sobre as ações do Sebrae: acesse o site www.sebrae.ro ou ligue gratuitamente para 0800 570 0800. Você também pode acessar o Sebrae pelo WhatsApp, pelo mesmo número. Siga o Sebrae em Rondônia nas redes sociais: Instagram, Facebook, Twitter, LinkedIn e YouTube

Galeria de Fotos da Notícia

IG CACAU: Cacauicultura de Rondônia avança no processo para ter Indicação Geográfica

 

IG CACAU: Cacauicultura de Rondônia avança no processo para ter Indicação Geográfica

FONTE:ASSESSORIA

Nada para mostrar aqui

Deixe um comentário

Posts Relacionados

TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM BURITIS

Aconteceu hoje aproximadamente às 13 horas próximo da avenida Paraná st. 02 em Buritis uma tentativa de homicídio. O fato que ainda está sendo objeto