‘O maior local de transmissão da Covid é a UPA’, diz servidor após 13 pacientes morrerem à espera de UTI em Ariquemes, RO

 

A cidade de Ariquemes (RO) vive neste mês de março seu pior cenário desde o início da pandemia do coronavírus. Isso porque a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) está com 100% de lotação há vários dias e, em uma semana, 13 pessoas morreram enquanto esperavam por leito de UTI.

Em entrevista ao G1, um servidor da unidade relatou várias situações que os profissionais da saúde têm vivenciado diariamente na UPA.

Preferindo não se identificar, o trabalhador afirma que há pacientes ficando de dois a três dias nas cadeiras, aguardando na enfermaria pela transferência a uma UTI.

“Foi criado mais uma sala de medicação porque não tem mais onde colocar paciente. A sala vermelha virou enfermaria da Covid. O pessoal de trauma [acidentados] está ficando no corredor”, conta.

 

O ápice da crise na UPA de Ariquemes aconteceu na última quarta-feira (10), quando a equipe médica precisou entubar uma paciente ainda na cadeira.

“A paciente foi salva pelo gongo [depois de ser socorrida pelo SAMU]. A ambulância entregou pra gente na UPA, mas ela morreu 2 horas depois”, revela.

 

O servidor conta que 13 pacientes morreram na UPA da cidade desde a última sexta-feira (5). Nesta semana, a equipe de reportagem da Rede Amazônica registrou o momento que o carro de uma funerária vai até a UPA para retirar o corpo de um paciente.

Carro de funerária busca corpo dentro da UPA em Ariquemes (RO) — Foto: William Andrade/G1

Carro de funerária busca corpo dentro da UPA em Ariquemes (RO) — Foto: William Andrade/G1

O profissional da saúde narra ainda que também já falta equipamentos na UPA e houve momentos, durante o plantão, que os médicos precisaram escolher quem deveria ser intubado primeiro.

“Já tivemos situação aqui de optar a quem entubar, porque tínhamos dois pacientes e apenas um ventilador de transporte”, revelou.

 

Outro empecilho que os profissionais de saúde esbarram é a falta de respeito ou consciência das pessoas.

“Hoje o maior local de transmissão de Covid é a UPA, porque o entra e sai de acompanhante aqui é muito grande. A população não respeita que não pode entrar acompanhante”, desabafa o servidor.

 

O que diz a prefeitura?

 

Ao G1, o município de Ariquemes explicou que nesta semana a UPA está sim com ocupação de 100% dos leitos.

A prefeitura confirmou ainda que ocorreram mortes de pacientes na unidade, mas nem todos eram moradores de Ariquemes, pois a UPA recebe pacientes de várias cidades do Vale do Jamari.

Segundo a assessoria da prefeitura, Ariquemes tem feito investimentos em todas as áreas da saúde para combater a Covid-19, mas a Secretaria Municipal de Saúde estaria esbarrando na falta de profissionais para trabalhar na UPA.

“Abrimos vários processos seletivos com chamamento desses profissionais, mas nem sempre temos o preenchimento das vagas. Não temos falta de médicos para atender quem procura por atendimento, mas para abrir novos leitos de UTI”, explica a assessoria da prefeitura.

 

UTIS do Centro de Afecções Respiratórias

 

A UPA é a porta de entrada para pacientes com a Covid-19.

Depois do atendimento e avaliação médica, os doentes em estado mais graves deveriam ser encaminhados para Centro de Afecções Respiratórias (CAR), onde tem 28 leitos de UTIs, mas a unidade também está com 100% de taxa de ocupação.

O governo do estado informou nesta sexta-feira que dos 28 leitos de UTI no CAR, três precisaram ser bloqueados para manutenção e, com isso, Ariquemes conta agora com 25 leitos de UTIs.

Ariquemes tem quase 100 pessoas hospitalizadas nesta sexta-feira e a cidade já contabiliza 242 mortes por Covid, desde o começo da pandemia.

Pacientes morrem à espera de um leito de UTI em Ariquemes
FONTE: G1 RO
Nada para mostrar aqui

Deixe um comentário

Posts Relacionados