UNIÃO MATRIMONIAL: Maior taxa de casamentos do país é registrada novamente em RO

As Estatísticas de Registro Civil, divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (09), mostraram que, assim como em 2018, Rondônia apresentou a maior taxa de casamentos do país em 2019. Enquanto o Brasil registrou 6,18 casamentos a cada mil habitantes com mais de 15 anos, Rondônia tem uma taxa de 9,34. A Unidade da Federação com o menor índice é o Piauí, com 3,73. Em 1974, a taxa brasileira era de 13,0.

A pesquisa também mostrou que o mês de dezembro é o preferido dos rondonienses para realização de casamentos. Dos 12.435 casamentos realizados em Rondônia em 2019, 10,2% (1.342) ocorreram no último mês do ano. Julho (1.272 casamentos) e agosto (1.171) completam a lista dos meses preferidos pelos rondonienses.
Em relação à idade ao casar, ela tem aumentado tanto para homens quanto para mulheres. Em 2009, os homens que casaram tinham em média 28,8 anos e as mulheres tinham 25,3 anos. Já em 2019, estas médias de idades foram de 30,1 anos para homens e 27,2 anos para mulheres.
Apesar de ter a maior taxa de casamento, os matrimônios em Rondônia têm uma das menores durações. Em 2019, os casamentos no estado duravam em média 10,4 anos, 6,5 anos a menos que a média de 2009. Os casamentos com menor duração, em 2019, estavam no Acre (10,2 anos) e os com maior duração foram identificados no Piauí (17,6 anos).
Os dados de Registro Civil mostraram ainda que, em Rondônia no ano de 2019, 21,1% dos divórcios ocorreram em casamentos com até dois anos. O índice foi praticamente o mesmo que o registrado em 2018, quando o estado apresentou 21,2%.
Os divórcios de casamentos com mais de 20 anos representaram 16,6% em Rondônia no ano de 2019, enquanto que, em 2018, eles foram 17,8%. Em todo o Brasil, em 2019, os divórcios de casamentos mais longos foram o com maior proporção, representando 25,5% do total de divórcios concedidos em 1ª instância.
A pesquisa demonstrou também que dos 3.780 processos de divórcio concedidos em 1ª instância em Rondônia em 2019, 69,6% foram consensuais. Entre os não-consensuais, 56,9% foram requeridos pela mulher.
Dos divórcios concedidos em 1ª instância em 2019, em 1.943 deles havia filhos menores de idade. Em 57,8%, a guarda dos menores ficou sob responsabilidade da mulher.
Mas observa-se um aumento gradual de guarda compartilhada ao longo dos anos. Em 2014, os filhos ficavam sob a tutela de ambos os cônjuges em apenas 8,9% dos divórcios. Já 2019, este índice foi de 34,2%.
As Estatísticas apontaram ainda que, entre os divórcios concedidos em 1ª instância, em 16% os homens tinham idades entre 35 e 39 anos. O grupo formado por homens com idades entre 30 e 34 anos representou 15,3% e os com idades entre 40 e 44 anos corresponderam a 14,8%.
Em relação às mulheres, o grupo com idade entre 35 e 39 anos também foi a maior parte: 17,7%. Assim como os homens, o segundo grupo com a maior representação foi o formado por mulheres que tinham entre 30 e 34 anos (16,1%), mas o terceiro mais representativo foi o de mulheres com idades entre 25 e 29 anos (14,4%).
Março é o mês com maior número de nascimentos
As Estatísticas de Registro Civil também trazem informações referentes aos números de nascidos vivos. A pesquisa apontou que, no estado de Rondônia, houve uma pequena queda de 3,5% de nascidos vivos entre 2018 e 2019, quando nasceram 26.871 crianças, sendo 51,2% do sexo masculino e 48,8% do sexo feminino.
No Brasil, os meses com os maiores números de nascimentos, em 2019, foram março, maio e abril. Assim como o país, Rondônia também tem os maiores números de nascimentos nos meses de março a maio, seguidos por pouca diferença de setembro.
Outro ponto importante da pesquisa é em relação à idade das parturientes. Das 26.871 crianças nascidas em todo o estado em 2019, 26,9% tinham as mães com idades entre 20 e 24 anos, 25,8% das mães tinham idades entre 25 e 29 anos e 18,4% tinham idades entre 30 e 34 anos.
Rondônia tem a sexta maior taxa de mortes não-naturais
Em relação aos óbitos ocorridos em Rondônia, pôde-se observar que desde 2016 houve uma diminuição gradativa na proporção de mortes não-naturais, que incluem homicídios, suicídios e acidentes de trânsito.
Em 2016, 13,2% dos óbitos ocorridos foram em decorrência de causas não-naturais. Já em 2019, esta proporção foi de 10,8%. Esta taxa é a sexta maior do país, ficando atrás de Amapá (14,7%), Pará (12,3%), Tocantins (12%), Bahia (11%) e Sergipe (10,9%).
Entre os falecidos por causas naturais, os homens representaram 59%. Já entre os que morreram em decorrência de causas não naturais, a proporção masculina foi de 80,8%.
Também foi constatado que, em Rondônia no ano de 2019, 300 crianças morreram antes de completar um ano de vida. Porto Velho foi responsável por 36% destas ocorrências.
FONTE:ASSESSORIA
Nada para mostrar aqui

Deixe um comentário

Posts Relacionados

TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM BURITIS

Aconteceu hoje aproximadamente às 13 horas próximo da avenida Paraná st. 02 em Buritis uma tentativa de homicídio. O fato que ainda está sendo objeto